Spindel revela função de “Manager” de Renato Gaúcho no Flamengo
Spindel revela função de “Manager” de Renato Gaúcho no Flamengo
Publicidade

DIÁRIO DO FLA: Em entrevista exclusiva ao youtuber Gustavo Henrique Dando Choque, Bruno Spindel, diretor-executivo de futebol do Flamengo, comentou sobre o planejamento e a expectativa para a grande final da Copa Libertadores. Além disso, ele também abordou temas como as críticas ao Departamento Médico, ao Renato Gaúcho, e a renovação do contrato do Arrascaeta.

Enfim, confira os principais trechos abaixo:

Publicidade

Preparação para a Final da Libertadores

“Temos um jogo decisivo no dia 27, o jogo mais importante da nossa temporada com certeza. Uma temporada que emendou com o final do Campeonato Brasileiro de 2020 com a temporada propriamente dita de 2021. O Flamengo após o jogo contra o Internacional, pelo Campeonato Brasileiro, completou 81 jogos neste ano de 2021. Diversos jogos seguidos de três em três dias, muitas datas FIFA, lesões, um ano bem complicado por todos esses aspectos. Libertadores é sempre uma competição muito dura, é a terceira final que o Flamengo chega. Está chegando invicto nessa final, competição duríssima. E a gente está seguindo a preparação, o planejamento que foi feito para termos um grande jogo. O Palmeiras é um adversário duríssimo, o atual campeão da Libertadores. Vai ser um confronto duríssimo”, disse Bruno Spindel.

O carinho da torcida

“Mas, a gente fez o que foi planejado nas últimas três semanas para chegar muito bem a essa final, confiantes. Óbvio que são 90, podem ser 120 minutos, pode ter pênaltis, que define dentro das quatro linhas. Mas, a gente está muito confiante para esse jogo e é importante demais o carinho que a gente recebeu do nosso torcedor na saída do Rio de Janeiro lá no aerofla. Receber essa energia, estar próximo do nosso torcedor, ter essa sensação de pertencimento, de carinho, de amor, deles estarem tão juntos da gente é uma emoção que não dá para descrever”, relata o diretor do Flamengo.

“Espero que a gente possa ser campeão da Libertadores para viver grandes emoções. Isso está na nossa memória, é algo muito forte do ponto de vista emocional. A gente lá dentro do ônibus desde a hora que a gente saiu do Ninho, abraçado pelo torcedor. E, naquele momento, chegando à Ilha do Governador, perto do aeroporto, a gente sabe que tem gente que saiu às três, quatro horas da manhã, que é um momento que ele tem para estar perto dos ídolos, dos atletas, do treinador, que representam a Nação Rubro-Negra em todas as batalhas aí que a gente vai. Assim, é uma emoção que só dá para viver, não dá para descrever”.

Arbitragem

“O que a gente quer sempre é que todos os processos sejam transparentes, que as escalas sejam equilibradas, que os árbitros façam um bom trabalho, que eles sejam qualificados, que eles não apareçam, que o espetáculo seja decidido dentro das quatro linhas. Que a arbitragem não seja um tema a ser levantado. Então, espero que o [Néstor] Pitana faça um bom trabalho aí na final e que não seja, como eu falei aqui, como um Campeonato Brasileiro tão polêmico, com tanto assunto de arbitragem”, opinou Spindel.

O Confronto entre Flamengo e Palmeiras

“O Flamengo é o atual campeão brasileiro, o atual campeão da Supercopa. O Palmeiras é o atual campeão da Libertadores e da Copa do Brasil. São dois elencos fortíssimos, dois grandíssimos treinadores. Que seja memorável. Que o Flamengo possa sair campeão, mas vai ser um confronto duríssimo. Dois times que estão se preparando para a final, foco total para o dia 27. E a gente sabe que vai ser um confronto muito duro, que pode ser definido em 90, 120 minutos ou nos pênaltis. Agora, a gente tem que fazer e está fazendo a nossa parte. Estamos seguindo um planejamento que foi traçado para chegar forte na final. Confiante, mas o Flamengo vai jogar contra o atual campeão da Libertadores e a gente espera também o carinho e o apoio do nosso torcedor. Como aconteceu lá em 2019, a gente tem certeza de que o nosso torcedor vai fazer a diferença também em 2021”.

Momento mais complicado da Libertadores

“Acho que foi mais no final da Fase de Grupos. A gente começou muito bem na Fase de Grupos e, depois, nós tivemos ali três empates seguidos. No final, a gente ficou até um pouco preocupado em relação à passagem para a segunda fase, a fase de mata-mata. Acho que ali foi o momento mais tenso. Óbvio que mata-mata é sempre tenso, porque um erro que você cometa pode colocar tudo a perder”.

Críticas ao Departamento Médico e ao Renato Gaúcho

“Primeiro que isso faz parte do meu cargo, do cargo do Braz, faz parte do cargo e da missão que a Nação Rubro-Negra deu ao Landim. E acho que são duas pessoas muito fortes muito firmes, que são as pessoas que têm a dimensão e o tamanho mais do que adequado para ocupar os cargos que ocupam. Estão juntos para dar um apoio ao Departamento de Futebol nesses momentos mais duros. O Flamengo é o maior clube de futebol do mundo, é a maior torcida do mundo, faz parte essa pressão de querer sempre vencer, ser melhor e ganhar tudo, isso é natural no Flamengo. Tem que saber conviver com isso e tomar sempre as decisões corretas. A pressão faz parte da nossa vida, do nosso cargo e a gente sempre confiou no grupo, no Renato, nas nossas decisões para chegar aonde o Flamengo está chegando e preparado”.

Planejamento do Renato Gaúcho

“O Renato é a maior liderança do nosso departamento. Ele não é apenas o treinador na beira do campo, que vai dar o treino para os atletas e vai tratar das questões táticas. É ele quem comanda, no final das contas, todas as áreas, técnica, médica, de ciência. E esse planejamento passou por reuniões, cobranças, por alinhamentos com todos os departamentos, como de nutrição, fisiologia, fisioterapia, médica, acesso a relatórios e dados, para que se fosse planejado todo o caminho até a final”.

Renovação do Arrascaeta

“A gente conversou com o Arrascaeta e com o agente dele. As conversas nunca pararam, sempre houve e há o desejo do Flamengo e dele de seguir por muito tempo aqui e que o contrato seja renovado. Essas questões de qualquer negociação de contrato de qualquer atleta são complexas, têm muitos detalhes, muita coisa para discutir. Eu não gosto de criar expectativa. O que eu posso dizer é o seguinte: as conversas seguem sempre em bom tom, a gente tem uma relação muito boa com o Arrascaeta e com o agente dele, ele tem uma relação maravilhosa com o grupo, com o treinador, com a torcida. Ele quer ficar aqui no Flamengo e a gente quer que ele fique, então acho que isso tudo é o principal e o mais importante para que tenha um desfecho positivo”.

Publicidade