Rafinha prega pés no chão ao Fla: "Euforia fica do lado de fora" veja
Rafinha prega pés no chão ao Fla: "Euforia fica do lado de fora" veja

O Flamengo vive um momento de euforia. Em campo, o time corresponde com gols e intensidade. Fora dele, a torcida comparece em grande número a todos as partidas e joga junto. Mas o momento, para o experiente Rafinha, é de cuidado. E também para Jorge Jesus. Segundo lateral, o treinador português não deixa o grupo esquecer que “o que importa é como termina”.

– Pela experiência que tenho, sei que devemos ter muito cuidado no futebol. A euforia tem que ficar do lado de fora. O mister sempre cobra isso. Temos que ter o pé no chão. Não importa como começa. O que importa é como termina. Sobre o jogo de sábado, contra o Santos, ele afirmou: – Espero que possa sair muitos gols, mas que seja ao nosso favor. Espero que a gente possa fazer um ótimo jogo e que saia vitorioso. Tenho certeza que vai ser um grande jogo. Rafinha durante Avaí x Flamengo – Confira os melhores trechos da coletiva de Rafinha:

Técnicos estrangeiros no Brasil É interessante que venham treinadores estrangeiros. Se vierem para acrescentar, por que não? Mas o Brasil também tem uma boa escola de treinadores. Tem treinadores vitoriosos que foram campeões em tempos até mais difíceis.

Interação com jogadores mais novos Procuro sempre ficar perto dos mais novos. Sei como é. O Flamengo é um clube muito grande. Vivi isso muito na minha carreira. A gente sempre procura passar informação para eles. Futebol é complicado porque quando você pensa que está por cima pode ficar para baixo. Não é só alegria. Tem uma frase que eu gosto, que é: “o sucesso e o fracasso não são para sempre”. Mas eles são muito espertos. Eles escutam. São diferentes. Para mim não surpreende o que acontece nos jogos porque eu vejo eles treinando. Podem voar o mais alto que for, mas se possível deixar o pé no chão que o sucesso vem naturalmente.

Bruno Henrique e Gabigol já passaram pelo Santos. É diferente enfrentar um ex-time? Eu nunca fiz gol contra meu ex-clube, mas já joguei no Bayern contra. É uma sensação diferente. Espero que eles consigam manter essa média de continuar marcando.

Laterais e apoio na frente O Flamengo tem grandes laterais. Quando eu cheguei já falei isso aqui. Fico feliz de trazer um pouco mais de experiência já que a gente (ele e Filipe Luís) passou tanto tempo fora. É legal essa troca de informação. A gente faz nosso trabalho lá atrás para que o pessoal faça o deles lá na frente. Facilita muito passar tranquilidade e não tomar gols. É bom eles saberem que a bola vai chegar redonda. A gente procura passar coisas boas e tranquilidade.

 

Quanto de novidade Jorge Jesus apresenta? Para mim está sendo ótimo. Eu já conhecia o trabalho do mister na Europa. Ele é conhecido pelo sistema e forma de trabalhar no futebol europeu.

DNA intenso do Flamengo É trabalho. Vem sendo feito intensamente todos os dias. Não é surpresa porque da forma que a gente está trabalhando, é natural esse desenvolvimento. A gente aplica a execução dos treinos nos jogos. Os jogadores captaram a mensagem.