Prefeitura fará esquema especial de fiscalização na final do Carioca
Prefeitura fará esquema especial de fiscalização na final do Carioca
Publicidade

A Secretaria Municipal de Saúde prepara um esquema especial de fiscalização no Maracanã para o segundo jogo da final do Campeonato Carioca, que acontecerá no sábado, entre Flamengo e Fluminense. No primeiro confronto, houve convidados na arquibancada do estádio, sem a permissão dos órgãos municipais, o que foi considerado infração “gravíssima” e gerou uma multa à administração do local.

Segundo a secretaria, o decreto 48425/21, que veda a presença de público em estádios e ginásios esportivos, ainda que não pagante, permanece em vigor. Caso haja um novo descumprimento das medidas sanitárias, o Maracanã pode, até mesmo, ser interditado.

Publicidade

— Haverá um esquema especial de fiscalização no Maracanã. Em caso de descumprimento das regras, o estabelecimento poderá ser interditado, além de aplicação de multa gravíssima em dobro, como está previsto no ART. 34, parágrafo 3, do Decreto 45.585/18, disse a Secretaria Municipal de Saúde, em nota enviada ao UOL Esporte.

O Maracanã foi confirmado como sede do jogo decisivo na manhã de hoje (18), após embate nos bastidores. A Federação de Futebol do Rio de Janeiro (Ferj) e o Rubro-Negro, mandante da partida, demonstraram intenção de levar o duelo para Brasília, enquanto o Tricolor se mostrou contrário à medida.

O tema central do debate é justamente a presença de torcida. A possibilidade foi colocada à mesa na última semana, em documento publicado pela Ferj. O clube da Gávea se mostrou favorável, enquanto o Fluminense foi contrário. Botafogo e Vasco, participantes da decisão da Taça Rio, participaram da conversa e fizeram coro negativo.

No último sábado, a Ferj liberou 300 convites para o primeiro jogo da final do Estadual, sendo que 148 foram utilizados. O lado do Fla ficou visivelmente cheio, enquanto o Flu teve apenas oito integrantes, sendo seis da diretoria — o clube das Laranjeiras alega que tais pessoas foram chamadas diretamente pela Ferj, sem o convite da cúpula. No decorrer da partida, houve desrespeito às regras em meio à pandemia, como distanciamento social e o uso de máscaras.

A prefeitura, por sua vez, ao longo deste período, sempre afirmou que o decreto que impede a presença de público em estádios esteve valendo. Apesar de tal posicionamento, o Rubro-Negro e a Ferj ainda buscaram diálogo visando o segundo jogo da final, com o clube tendo, inclusive, enviado um protocolo aos órgãos municipais.

Com o consenso em relação à negativa sobre a pauta, Botafogo e Vasco atuaram no Nilton Santos, no primeiro duelo, e vão fazer o segundo em São Januário — no primeiro encontro, no último domingo, triunfo da equipe cruz-maltina por 1 a 0.

Retirado de: UOL

Publicidade