Natan fala sobre pressão e briga por vaga no Flamengo: ‘Evoluindo’
Natan fala sobre pressão e briga por vaga no Flamengo: ‘Evoluindo’
Publicidade

Natan em ação pelo Flamengo no Maracanã (Foto: Marcelo Cortes/Flamengo)

Nesta quinta-feira (04), Natan concedeu entrevista coletiva pelo Flamengo no Ninho do Urubu. O zagueiro foi referência para seus companheiros do sub-20 na equipe alternativa e estreou a temporada de 2021 com a faixa de capitão no braço.

Publicidade

Quando questionado sobre a pressão sentida pelo elenco ainda bem jovem que atuou contra o Nova Iguaçu na última terça-feira (02), Natan disse:

“Pressão existe em todo lugar, principalmente no Flamengo. O nervosismo é comum no atleta que sobe da base para o profissional. Eu tive isso, mas eu tive companheiros que me ajudaram, como Filipe Luis, Rodrigo Caio… Eles me passaram confiança no dia a dia e nos jogos. Como um dos mais experientes no clube (referindo-se ao time da estreia no Carioca), eu, Rodrigo Muniz, Matheuzinho, Gabriel Batista, entre outros, estamos ali para ajudar os companheiros quando eles estiverem nervosos, passar confiança para que eles joguem livremente como jogam na base”, disse o jovem.

O camisa 31 também foi questionado sobre a responsabilidade confiada a ele ao receber a faixa de capitão.

“Começar o Carioca com a braçadeira de capitão é meu trabalho que vem evoluindo, isso demonstra que o Flamengo deposita uma confiança grande em mim. A gente tem tudo para continuar firme e forte nesse Campeonato Carioca e ser campeão”, declarou Natan.

Ainda sobre sua atuação nesta semana, o zagueiro ressaltou a importância de sua parceria com Gabriel Noga e a confiança que sente ao jogar ao lado do companheiro.

“Eu e Noga jogamos dois ou três anos juntos, sub-17 e sub-20. E é um companheiro que eu já estou bastante habituado em jogar, a gente se completa, é um zagueiro técnico, inteligente, seguro. Se Deus quiser, a gente vai ter muitos anos de parceria no Flamengo ou juntos no elenco do profissional”, afirmou.

Para finalizar, Natan falou sobre a briga por uma vaga no time titular. Em relação ao assunto, o zagueiro disse ter pés no chão e que aguarda oportunidades.

“Eu acho que eu tenho que ter a humildade e os pés no chão. Trabalhar firme e forte e estar preparado para as oportunidades vierem e quando o professor Rogério Ceni me chamar”, completou.

Permanecendo à disposição de Maurício Souza, o jovem de 20 anos treina durante a semana para enfrentar o Macaé neste sábado (06). A bola rolará às 18h (horário de Brasília), no Maracanã, e a partida será válida pela segunda rodada do Campeonato Carioca.

Publicidade