Justiça nega recurso para bloquear R$ 100 milhões do Flamengo
Justiça nega recurso para bloquear R$ 100 milhões do Flamengo
Publicidade

Entrada do Ninho do Urubu (Foto: Gilvan de Souza/Flamengo)

Dois anos e um dia após o incêndio no Ninho do Urubu que vitimou dez jovens atletas da base do Flamengo, a Turma do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 1ª Região negou um recurso do Ministério Público do Trabalho (MPT) para julgar um pedido de bloqueio de R$ 100 milhões das contas do Rubro-Negro. O pedido tinha como objetivo utilizar a verba para eventuais pagamentos de indenizações de vítimas do incêndio do Ninho do Urubu.

Publicidade

Os procuradores alegaram que os clubes do Rio têm situações financeiras complicadas e que, embora não seja o caso específico do Flamengo, seria necessário fazer o “provisionamento dos recursos” para reparar os danos de familiares das vítimas do incêndio no futuro.

Em outro processo, 11 pessoas se tornaram réus pelo incêndio, inclusive o ex-presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello. Ao fim do processo, os denunciados poderão sofrer penas de detenção, de 1 ano e 4 meses a 4 anos.

Segundo os promotores, o presidente do clube carioca assinou todos os contratos de compra dos contêineres que pegaram fogo. Em 2014, Eduardo Bandeira de Mello chegou a ser notificado pelo Ministério Público e pelo Ministério Público do Trabalho pra regularizar a situação considerada precária pelas autoridades.

De acordo com o MP, o ex-presidente do Flamengo optou por não cumprir as determinações de adequação do espaço, como o sistema de prevenção de incêndio devidamente certificado pelo Corpo de Bombeiros. Os promotores dizem que Bandeira de Mello sabia do estado dos contêineres.

Além de Bandeira, também estão na lista de acusados: Antonio Marcio Garotti (ex-diretor financeiro do Fla), Carlos Renato Mamede Noval (atual diretor de transição do Fla), Marcelo Maia de Sá (ex-diretor de obras do Fla), Luiz Felipe Almeida Pondé (ex-engenheiro do Fla), Claudia Pereira Rodrigues (diretora da NHJ, fabricante dos contêineres), Weslley Gimenes (engenheiro da NHJ), Danilo da Silva Duarte (engenheiro da NHJ) Fabio Hilário da Silva (engenheiro da NHJ), Edson Colman da Silva (técnico de refrigeração) e Marcus Vinicius Medeiros (monitor).

O Rubro-Negro fechou acordos recentemente e chegou a nove resoluções em 11 tratativas. Houve um denominador comum com as famílias de Arthur Vinicius, Pablo Henrique, Samuel, Athila Paixão, Bernardo Piseta, Gedson Santos, o Gedinho, Jorge Eduardo, Vitor Isaias, e com o pai de Rykelmo.

Retirado de: O Dia

Publicidade