Foto de comemoração de título do Flamengo circula como se fosse ato contra Bolsonaro
Foto de comemoração de título do Flamengo circula como se fosse ato contra Bolsonaro
Publicidade

ESTADÃO: Samuel Lima

Uma foto de torcedores do Flamengo comemorando a conquista da Copa Libertadores, em 2019, no centro do Rio de Janeiro, circula fora de contexto nas redes sociais. Perfis compartilham o conteúdo como se mostrasse a manifestação contra o presidente Jair Bolsonaro, ocorrida no sábado em dezenas de cidades brasileiras.

Publicidade

A foto da comemoração do título foi inicialmente publicada por um perfil flamenguista no Twitter, antes do início do protesto no Rio, como brincadeira; posteriormente, a imagem foi reproduzida em postagens no Facebook como se realmente fosse dos atos de sábado.

O Estadão Verifica encontrou o registro original por meio de uma busca reversa no Google Imagens. A foto foi publicada pelo site Globoesporte.com, em 24 de novembro de 2019, em notícia intitulada “Dia histórico: veja em imagens o mar de gente que festeja o título do Flamengo da Libertadores”. A autoria é do fotógrafo André Durão, do Grupo Globo.

Foto: Screenshot / G1

De acordo com outra reportagem, do portal G1, sobre o mesmo fato, a equipe do Flamengo circulou com a taça do torneio sul-americano em um trio elétrico. Os jogadores festejaram assim que chegaram ao Rio de Janeiro, no dia seguinte à vitória sobre o clube argentino River Plate. A final daquela edição da Libertadores foi disputada em Lima, no Peru.

O trajeto se iniciou em frente à Igreja da Candelária e seguiu pela Avenida Presidente Vargas, até chegar ao monumento Zumbi dos Palmares, no centro da capital fluminense. O desfile percorreu cerca de 2,5 quilômetros e reuniu uma multidão de adeptos rubro-negros. É possível notar a presença do veículo nas fotos que viralizaram no final de semana.

As manifestações contra Bolsonaro deste sábado, 29 de maio de 2021, foram convocadas por movimentos sociais, centrais sindicais e partidos de oposição. Os atos criticaram a condução do governo federal na pandemia, pediram a retomada do auxílio emergencial de R$ 600 e a vacinação em massa da população e defenderam o impeachment do atual presidente.

No Rio de Janeiro, a concentração ocorreu no monumento Zumbi dos Palmares, na Avenida Presidente Vargas, de onde milhares de manifestantes circularam por algumas das principais vias do centro da cidade. As lideranças orientaram cuidados como distanciamento social e uso de máscaras PFF2 durante os protestos, para reduzir o risco de contágio pelo novo coronavírus. Mesmo assim, houve aglomeração.

Este boato foi checado por aparecer entre os principais conteúdos suspeitos que circulam no Facebook. O Estadão Verifica tem acesso a uma lista de postagens potencialmente falsas e a dados sobre sua viralização em razão de uma parceria com a rede social. Quando nossas verificações constatam que uma informação é enganosa, o Facebook reduz o alcance de sua circulação. Usuários da rede social e administradores de páginas recebem notificações se tiverem publicado ou compartilhado postagens marcadas como falsas. Um aviso também é enviado a quem quiser postar um conteúdo que tiver sido sinalizado como inverídico anteriormente.

Um pré-requisito para participar da parceria com o Facebook é obter certificação da International Fact Checking Network (IFCN), o que, no caso do Estadão Verifica, ocorreu em janeiro de 2019. A associação internacional de verificadores de fatos exige das entidades certificadas que assinem um código de princípios e assumam compromissos em cinco áreas: apartidarismo e imparcialidade; transparência das fontes; transparência do financiamento e organização; transparência da metodologia; e política de correções aberta e honesta. O comprometimento com essas práticas promove mais equilíbrio e precisão no trabalho.

Publicidade