Flamengo volta a não tomar gol após 7 jogos
Flamengo volta a não tomar gol após 7 jogos
Publicidade

GLOBO ESPORTE: Dupla de ataque reserva decidindo, Pedro pedindo passagem mais uma vez e a defesa sem sofrer gols após sete jogos. Mesmo atuando com um time misto e contra um adversário bem inferior tecnicamente, a vitória do Flamengo sobre o Volta Redonda por 3 a 0 traz otimismo em alguns aspectos para o torcedor e para o técnico Rogério Ceni.

Que o foco neste momento está na Libertadores, mais precisamente no jogo contra a LDU na próxima terça-feira, isto é indiscutível.

Publicidade

Mas a resposta dada por Michael e Pedro no setor ofensivo no primeiro jogo da semifinal do Campeonato Carioca, por mais que seja clichê, é mais um lembrete do poderio ofensivo rubro-negro, que até sem os principais homens de frente consegue resolver e vencer com placares elásticos – mesmo que sem brilhantismo em determinados momentos.

Algo muito positivo diante da maratona de jogos que o clube se prepara para enfrentar em maio – com a possibilidade de mais oito partidas entre finais do estadual, Libertadores e início do Brasileirão.

Afinal, quem não gostaria de um atacante “predestinado” e um reserva imediato com sete gols e uma assistência em sete jogos na temporada?

Com o hat-trick no Voltaço, dois deles com passes de Michael, Pedro segue pedindo passagem, sendo a “dor de cabeça” boa que qualquer técnico gostaria de ter e alimentando o círculo vicioso do debate que se arrasta por mais um ano: ele pode ser titular e jogar junto com Gabigol?

Sem dar fim ao quebra-cabeças para montar um time com dois “homens-gols”, Rogério Ceni prefere contrariar a lógica para afirmar sabiamente que neste momento Pedro também faz parte da equipe principal.

– Pedro, para mim, é titular. Aquele futebol dos 11 que jogam todos os jogos acabou faz tempo. Numa temporada de 70, 75 jogos, o Pedro é titular. Nos últimos três jogos, ele jogou 90 minutos em dois. Considero o Pedro, não pelos gols de hoje, mas pelo talento que tem, titular. Os três gols reforçam essa pergunta, mas considero o Pedro como um jogador titular e importantíssimo para o Flamengo – disse o técnico na coletiva após o jogo.

E por mais que os holofotes estejam voltados para o ataque, que convenceu, quem também respondeu bem foi o setor defensivo. Com atuações consistentes de Gustavo Henrique e Arão, o Rubro-Negro conseguiu deixar o gramado sem sofrer gol após sete jogos.

A última vez que isto aconteceu foi na 7ª rodada do estadual, quando o time venceu o Bangu por 3 a 0, também no Raulino de Oliveira. De lá para cá, foi vazado em todos os jogos que disputou pela Libertadores, Supercopa e Carioca. Algo que não passou despercebido pelo treinador, que também comemorou a vantagem conquistada:

“Importante, porque temos a Libertadores intercalada com o Carioca. Não decide a vaga, mas é um bom indício para conseguir chegar à final… Acho que fizemos uma boa partida defensiva e conseguimos zerar numa noite. Acho que isso é bom, porque traz confiança para os jogos a seguir”

Com isso, sem força máxima, mas contando com o equilíbrio entre o ataque e a evolução da defesa, o Flamengo garante a vantagem de perder o jogo da volta para o Voltaço por até três gols de diferença para ficar com a vaga na final e, de quebra, ainda dá mais sinais que tem forças para brigar em diferentes frentes em uma temporada que promete ser longa.

Publicidade