Flamengo anda em círculos no Brasileiro por seus próprios erros
Flamengo anda em círculos no Brasileiro por seus próprios erros
Publicidade

Gabigol em Bragantino x Flamengo – Foto: Alexandre Vidal

BLOG DO ANDRÉ ROCHA: O Flamengo entrou em campo para enfrentar o Red Bull Bragantino como visitante, mas com obrigação da vitória. No terceiro jogo seguido com apenas três dias de intervalo, em um espaço de sete dias. Desgaste, adversário complicado fora de casa. O time bem armado por Mauricio Barbieri, com o talentoso Claudinho, artilheiro do Brasileiro com 17 gols.

Publicidade

Era preciso minimizar erros dentro de uma proposta ofensiva. Ser preciso no ataque e concentrado defensivamente. Administrando o fôlego tocando mais a bola e cedendo campo ao adversário em alguns momentos, ou mantendo a pressão para definir o placar rapidamente.

Mas a marca do Flamengo na segunda metade da temporada 2020, depois da saída de Jorge Jesus, é um “combo” de equívocos muito claro: chances claras perdidas no ataque mais um elo fraco na defesa que falha e dá a oportunidade de ouro para o adversário ir às redes criando bem menos.

Gustavo Henrique, Bruno Henrique, De Arrascaeta e Pedro, no final, desperdiçaram chances cristalinas. Uns com mais conforto para finalizar que outros, mas todos pararam nas defesas do goleiro Cleiton, o melhor em campo. Foram 15 conclusões rubro-negras, sete no alvo. Onze dentro da área. Era obrigatório ir às redes além da cobrança precisa de pênalti de Gabigol no primeiro tempo.

O Flamengo tem o melhor ataque do campeonato, com 63 gols. Mas criou chances nas 35 rodadas para ter, no mínimo, os mesmos 79 que ostentava na mesma altura da competição no ano passado. Talvez já com a conquista garantida também, se os gols a mais fossem distribuídos entre as partidas em que a equipe deixou pontos pelo caminho por pura incompetência nas finalizações.

Com mais gols marcados, talvez as falhas defensivas pesassem menos. Porque há sempre alguém para fazer um “paçoca delivery”. Já foram Gustavo Henrique, Léo Pereira, Filipe Luís, Willian Arão. Em Bragança foi Isla, novamente com erros de posicionamento. Desta vez agravados provavelmente pela dificuldade de jogar depois de ter o rosto pisado em lance acidental. Talvez temendo cabecear a bola e com a visão periférica prejudicada, o lateral não viu Helinho passar às suas costas e servir Ytalo no gol de empate.

Um duro golpe, já que o jogo estava controlado e Claudinho bem vigiado por João Gomes, o substituto do lesionado e suspenso Diego Ribas. Ainda assim, o Flamengo retomou o controle, seguiu roubando bolas no campo de ataque e criando oportunidades. Novamente faltou o acabamento, como bem ressaltou Everton Ribeiro na entrevista após o jogo.

Rogério Ceni demorou a substituir. Trocar para mudar o andamento da partida é um dos grandes desafios de jovens treinadores. Trabalham bem o “Plano A”, mas se as circunstâncias fogem do controle, falta experiência ou confiança baseada no sucesso de mudanças anteriores. No caso de Ceni, o bom desempenho coletivo e a falta de opções confiáveis além de Pedro pesam bastante.

O centroavante entrou só aos 42 minutos do segundo tempo, na vaga de Gérson. Pepê no lugar de João Gomes. Vitinho e Matheuzinho também foram a campo. O problema é que, além de gás novo, o Fla precisava de ritmo para uma “blitz” final. Parar o jogo duas vezes nos minutos finais foi um obstáculo a mais.

Mas o jogo já poderia estar decidido ou a vitória bem encaminhada. Jogando no limite é obrigatório ser letal no ataque. O Flamengo refugou de novo na hora de chegar ao topo, ainda que temporariamente, transferindo toda pressão para o Internacional, que joga na quarta em casa contra o Sport. Foi a quinta chance desperdiçada de ser líder.

Agora volta a depender de tropeços do grande concorrente, faltando apenas três rodadas. Ficou difícil, quase impossível. Só não dá para jogar a toalha porque ainda há um confronto direto com o Colorado e o campeonato é tão maluco dentro de uma temporada atípica que o atual campeão ainda pode ganhar uma última oportunidade.

Se parar de errar sempre da mesma forma andando em círculos, as chances de bi já aumentam.

Publicidade