Domènec diz haver dirigentes que torcem contra o Flamengo dentro do próprio clube
Domènec diz haver dirigentes que torcem contra o Flamengo dentro do próprio clube
Publicidade

COLUNA DO FLA: Domènec Torrent chegou ao Flamengo com a difícil missão de substituir Jorge Jesus. O treinador catalão viveu momentos conturbados no comando do Mais Querido. Após a saída, o técnico se manteve calado, no entanto, nesta terça-feira (02), quebrou o silêncio em entrevista ao Globo Esporte e apontou um grave problema interno na diretoria Rubro-Negra.

– A sensação que eu tinha desde o início, e comentava como a equipe, quando liderávamos havia várias rodadas, que, com a primeira partida que perdêssemos, estaríamos fora. Por quê? Pela sensação que eu tinha lá dentro. Nunca senti apoio de verdade. Os jogadores me apoiavam. Não senti nenhuma garantia, nenhum apoio da diretoria. Nunca. Eu sabia desde o início. Acho que o problema do Flamengo está dentro do Flamengo. Está dentro. Dentro do Flamengo. Enquanto eles não esclarecerem as coisas entre si, isso vai continuar com Dome, com Ancelotti, com Klopp, com Pep Guardiola, com quem for – antes de completar:

Publicidade

– Esse é o grande problema do Flamengo, porque quando vemos um time com 125 anos de história, que tem a maior torcida do mundo, e só ganhou sete Brasileirões, três Copas e duas Libertadores, é porque tem algo acontecendo lá dentro. Quando vemos um clube que é o que mais trocou treinadores em todo o Brasileirão, é porque algo acontece lá dentro. Então foi isso que sentimos desde o primeiro dia, porque sabíamos que muita gente lá dentro não nos queria. Sabíamos. Acho que todo mundo que trabalha no Flamengo sabe o que acontece lá. (…) Inclusive, muitas vezes eu sentia que, quando perdíamos, alguém lá de dentro ficava feliz, era o que eu sentia. Minha equipe e eu tínhamos essa sensação. Então era muito complicado trabalhar assim.– finalizou

Domènec ficou no comando do Flamengo entre agosto e novembro. O treinador foi demitido mesmo um aproveitamento de 63.8% em 26 jogos. O treinador catalão saiu quando time ainda disputaria as oitavas de final da Libertadores, contra o Racing, e as quartas da Copa do Brasil, contra o São Paulo. No entanto, algumas goleadas no Brasileirão foram determinantes para a sua saída.

Publicidade