Conmebol exige retirada de bandeiras provocativas da torcida do Flamengo contra o Vélez
Conmebol exige retirada de bandeiras provocativas da torcida do Flamengo contra o Vélez
Publicidade

O GLOBO: Diogo Dantas

Três bandeiras colocadas por torcidas organizadas do Flamengo foram retiradas do Maracanã nesta quarta-feira, véspera do confronto com o Vélez Sarsfield, pela Libertadores, a pedido da Polícia Militar. O motivo é que as imagens foram consideradas incitação à violência.

Publicidade

Em uma das bandeiras foi reproduzido o lance da briga entre Romário e um jogador do time argentino, na vitória rubro-negra por 3 a 0, pela Supercopa da Libertadores de 1995, em Uberlândia.

A Conmebol recebeu a solicitação do comandante do Batalhão Especial de Policiamento em Estádios na reunião de segurança que antecede a partida. A entidade acatou o pedido. Apesar de uma das bandeiras lembrar o drible do jogador Rodrigo Mendes, chegou-se a um acordo para retirar todas, pois trata-se de uma sequência de cenas.

Vale lembrar que o estatuto do torcedor veta qualquer alusão à violência nos estádios, mesmo sem público. As torcidas do Flamengo tentaram reverter, mas não conseguiram.

Confusão generalizada Em 1995, um tumultuado Flamengo x Vélez Sarsfield marcaria a memória de torcedores brasileiros e argentinos. Vindo de vitória por 3 a 2 na Argentina e jogando no Parque do Sabiá, em Uberlândia (MG) — o mando de campo da partida foi vendido — , o Flamengo receberia o time argentino, adversário desta quinta-feira na Libertadores, pela primeira fase eliminatória da extinta Supercopa Libertadores. A vitória rubro-negra por 3 a 0 classificou os cariocas.

Já com o placar definido, o lateral-direito argentino Flávio Zandoná deixou o cotovelo em uma tentativa de drible de Edmundo. Posteriormente, alegando ter sido provocado e ter recebido um tapa, acertou um soco no rosto do atacante, e acabou levando o troco de Romário: uma voadora no peito. Na Argentina, o jogo é famoso entre os torcedores do Vélez, que fizeram uma bandeira lembrando o episódio.

O Flamengo terminaria com vice-campeão daquela edição da Supercopa, perdendo a decisão para o Independiente.

Publicidade