Ceni reclama da falta de titulares para treinar
Ceni reclama da falta de titulares para treinar
Publicidade

O GLOBO: Diogo Dantas

Antes de testar positivo para Covid-19 nesta terça-feira, o técnico Rogério Ceni já vinha em isolamento no Flamengo desde a retomada dos trabalhos, no dia 2 de junho. Mas ainda não por conta do vírus. E O GLOBO apurou os principais motivos para que o tempo livre para treinos tenha virado um verdadeiro pesadelo para o técnico.

Publicidade

Em vias de iniciar a disputa de partidas eliminatórias, como a de quinta-feira, contra o Coritiba, pela Copa do Brasil, o treinador completou uma semana de treinamento deixando claro internamente que trabalha em condições muito ruins para evoluir com a equipe, já que sete titulares estão ausentes: Rodrigo Caio, Éverton Ribeiro, Gabi, Gerson, Pedro, Arrascaeta e Isla.

O Flamengo conta apenas com 16 atletas do elenco principal desde a convocação das seleções para Eliminatórias e para os amistosos visando a Olimpíada. Ceni ainda perdeu dois auxiliares e uma analista de sua comissão, que testaram positivo na volta da folga após o adiamento de jogos pela CBF.

O comandante, então precisou se desdobrar, “se virar nos trinta”. Montou treinamentos sozinho, preparou videos, improvisou o preparador físico Betinho como seu auxiliar. E focou nas atividades defensivas, já que o setor é o que dispõe de mais jogadores no momento.

No ataque, não é possível treinar uma formação ideal. Nem perto disso. Sem Gabi e Pedro, restam Bruno Henrique como opção de centroavante e o jovem Rodrigo Muniz, que a diretoria ainda corre para negociar nesta janela de transferências.

A questão dos reforços desgasta dia a dia a relação de Ceni com seus superiores ao longo dos últimos meses. Embora o vice de futebol Marcos Braz lhe dê respaldo em discurso e teoria, na prática os pedidos não foram atendidos. Nenhuma contratação que Ceni deseja saiu do papel. Nem após a venda de Gerson houve avanços concretos nesse sentido.

O técnico e seus pares se veem colocados como escudo do trabalho do clube em se reestruturar financeiramente, com a venda não só de Gerson mas de outros tantos nesta temporada. Enquanto isso acontece, Ceni é o único criticado por não dar o padrão de excelência desejado pela torcida. E se incomoda com isso. Mas se vê sem escolha.

De fato, há poucas. Além de Gabi e Pedro, o técnico observa os convocados e não sabe as condições deles quando retornarem. Everton Ribeiro e Rodrigo Caio tiveram problemas físicos na seleção brasileira. Arrascaeta testou positivo e está isolado no Uruguai, aguardando a convocação da Copa América. Sem Isla, com o Chile, o Flamengo também não poderá contar com Rodinei contra o Coritiba, pois o lateral está suspenso para o primeiro jogo.

PUBLICIDADE E no fim das contas nem com o próprio Ceni. O técnico agora entra em isolamento real e irrestrito. E terá o auxiliar Maurício de Souza, do sub-20, em seu lugar nos próximos dois jogos, pela Copa do Brasil e pelo Brasileiro. Não se sabe quando nem quantos atletas e profissionais o Flamengo terá à disposição até lá.

Após o jogo do Brasil contra o Paraguai, nesta terça, o clube prepara uma logística para ter os atletas da seleção brasileira na quinta-feira contra o Coritiba. Mas há dúvidas sobre a viabilidade da participação, devido ao desgaste físico.

Publicidade