Bap diz que Flamengo não contratou Rafinha por falta de dinheiro: “Precisaria desonerar a folha em R$ 1 milhão”
Bap diz que Flamengo não contratou Rafinha por falta de dinheiro: “Precisaria desonerar a folha em R$ 1 milhão”
Publicidade

COLUNA DO FLA: Quando foi anunciado oficialmente que o Flamengo estaria desistindo da contratação do lateral Rafinha, a torcida logo tratou de apontar um culpado. O alvo foi o vice de relações externas e membro do Conselho de Futebol, o Bap. O dirigente quebrou o silêncio nesta quarta (14) e explicou a situação. Segundo ele, não houve veto ao nome do atleta e que por orientação do departamento financeiro, haveria de ter um desoneração da folha salarial de R$ 1 milhão por mês.

— Nós estamos num momento de exceção, onde estamos gerenciando escassez. A gente não está pagando tudo em dia porque é rico, mas porque somos equilibrados e não cometemos loucuras. Claro que o torcedor comum queria o Rafinha, eu também queria, mas o financeiro fez a gente vê e disse “Olha, não tem problema de vocês trazerem o Rafinha, mas vocês têm de desonerar a folha em R$ 1 milhão por mês para contar com um jogador como ele. Assim que você conseguirem fazer isso, a gente fecha com ele”. O futebol entendeu que não ia conseguir desonerar a folha em cinco meses. Só poderíamos contratá-lo em julho ou agosto desse ano.

Publicidade

Antes, Bap explicou como é o processo de contratação do Flamengo. Falou que o nome passa por uma avaliação por scout, idade, priorização… Em seguida, o nome é discutido dentro do Conselho de Futebol. Por fim, revelou que avaliação técnica de Rafinha foi unânime.

— Eu não vetei jogador nenhum no Flamengo. Existe todo um processo de scout, de avaliação técnica, de priorização, idade, vem para o Conselho (de futebol), a gente discute o nome. O Rafinha é um atleta excepcional, absolutamente querido dentro do clube e não vejo nenhum Rubro-Negro em sã consciência que não ia querer o Rafinha.

— Não faz sentido numa situação que a gente tá, no fio da navalha para cumprir com as obrigações com um elenco caro que a gente tem, incluindo esse ano de exceção de 2021, a gente colocar a palavra da gente em risco em cima de todo esse processo. Não adiantar falara para pagar o que você deve ano que vem porque é divida do mesmo jeito. Nós tomamos uma decisão totalmente a contragosto técnico. O Rafinha foi uma unanimidade na avaliação técnica —, finalizou Bap em entrevista ao jornalista Venê Casagrande.

Publicidade